"Poderíamos solucionar muitos dos problemas de delinqüência e criminalidade, se pudéssemos mudar o meio em que foram criados os transgressores." (Skinner 1948, p. 11)

quarta-feira, 20 de julho de 2011

saudade

isso resume em tudo o que eu to sentindo hoje e agora.
Saudade de casa, saudade da família, saudade do amor, saudade dos livros, das músicas, das novidades... saudade da paz!

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

mais ou menos


"A gente pode morar numa casa mais ou menos, numa rua mais ou menos, numa cidade mais ou menos, e até ter um governo mais ou menos.

A gente pode dormir numa cama mais ou menos, comer um feijão mais ou menos, ter um transporte mais ou menos, e até ser obrigado a acreditar mais ou menos no futuro.

A gente pode olhar em volta e sentir que tudo está mais ou menos...

TUDO BEM!

O que a gente não pode mesmo, nunca, de jeito nenhum...
é amar mais ou menos, sonhar mais ou menos, ser amigo mais ou menos, namorar mais ou menos, ter fé mais ou menos, e acreditar mais ou menos.

Senão a gente corre o risco de se tornar uma pessoa mais ou menos."
[Recebi por e-mail, autoria de Chico Xavier]



Achei esse texto muito interessante.. diversas vezes deixamos pra lá algo que nos chateia, que nos incomoda e vamos seguindo mais ou menos... resta saber até quando nos anularemos diante do que incomoda. Como diria o Teatro Mágico: "Não acomodar com o que incomoda."



Boa semana!

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

goiabada sem queijo...


Fico assim sem você - Adriana Calcanhoto


Avião sem asa, fogueira sem brasa
Sou eu assim sem você
Futebol sem bola,
Piu-Piu sem Frajola
Sou eu assim sem você

Por que é que tem que ser assim
Se o meu desejo não tem fim
Eu te quero a todo instante
Nem mil alto-falantes
vão poder falar por mim

Amor sem beijinho
Buchecha sem Claudinho
Sou eu assim sem você
Circo sem palhaço,
Namoro sem amasso
Sou eu assim sem você

Tô louca pra te ver chegar
Tô louca pra te ter nas mãos
Deitar no teu abraço
Retomar o pedaço
Que falta no meu coração

Eu não existo longe de você
E a solidão é o meu pior castigo
Eu conto as horas
Pra poder te ver
Mas o relógio tá de mal comigo

Por quê? Por quê?

Neném sem chupeta
Romeu sem Julieta
Sou eu assim sem você
Carro sem estrada
Queijo sem goiabada
Sou eu assim sem você

Por que é que tem que ser assim
Se o meu desejo não tem fim
Eu te quero a todo instante
Nem mil alto-falantes
vão poder falar por mim


Tem dias que a gente se sente assim. Sem um "pedaço"... O que fazer? Por onde ir? Como [re]começar?!
Serei titia em breve! Tão feliz! Minha irmã está tão barrigudinha, tão gracinha.. contando os dias pra Lia vir ao mundo!
Sem mais, boa semana!
que Deus nos proteja! Amém!

domingo, 8 de agosto de 2010

"A cura de Schopenhauer"


Retirei uns trechos do livro que adorei (do título acima):

p. 47:

"A falta de amor na infância teve graves implicações no futuro de Arthur. As crianças que não recebem carinho materno costumam não se sentir seguras para gostarem de si mesmas, para acreditarem que os outros vão gostar delas ou para gostarem de viver. Na idade adulta, tornam-se distantes, recolhidas em si mesmas, e têm uma relação dificil com os outros."

p. 118:

"Não existe ontem, nem amanhã. As lembranças do passado, as preocupações com o futuro só causam inquietação. O caminho para a serenidade está em observar o presente e deixar que flutue pelo rio de nossa consciência."

domingo, 4 de julho de 2010

ÔôÔô...

video

Há algum tempo postei esse video aqui no blog, mas por alguma razão ele saiu do ar. Por ironia do destino, o recebi por e-mail. Salvei e volto a publicar!

Abçs!

Comportamento...


O comportamento humano dito normal é apenas uma questão de consenso; ou seja, se muita gente pensa que uma coisa está certa, esta coisa passa a estar certa.

Existem coisas que são governadas pelo bom-senso humano: colocar os botões na frente da camisa é uma questão lógica, já que ficaria muito difícil abotoá-los de lado, e impossível abotoá-los se estivessem nas costas.

Cada ser humano é único, com suas próprias qualidades, instintos, formas de prazer, busca da aventura. Mas a sociedade termina impondo uma maneira coletiva de agir – e as pessoas não param para perguntar o porquê. Apenas aceitam.

É grave querer ser igual, porque isso é forçar a natureza, é ir contra as leis de Deus – que, em todos os bosques e florestas do mundo, não criou uma só folha igual a outra.


(Li em 04/07/10 - Paulo Coelho)

.
Eu, como estudante de Psicologia, me questiono: o que faz uma pessoa querer ser igual a outra? Querer ter as mesmas coisas e até mesmo ser outra pessoa?! Seria falta de personalidade? Seria por medo de se encarar frente ao espelho?! Ou uma fuga de si?!

Boa semana!

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Oração da Serenidade


"Senhor,
dai-me a serenidade para aceitar as coisas que eu não posso mudar,
coragem para mudar as coisas que eu possa,
e sabedoria para que eu saiba a diferença... "

sem título

"Tenho andado distraído.. impaciente e indeciso! Só que agora é diferente.." (Legião Urbana)
Uma piadinha pra alegrar o dia!

antes do casamento:
Ele: - Finalmente. Custou tanto esperar por este momento.
Ela: - Você quer que eu vá embora?
Ele: - Não! Nem pense nisso.
Ela: - Você me ama?
Ele: - Claro! Muito, muito!
Ela: - Alguma vez você já me traiu?
Ele: - NÃO!!!
Ela: - Me beija.
Ele: - Claro! Sempre que possível!
Ela: - Você seria capaz de me bater?
Ele: - Você está doida! Jamais!
Ela: - Posso confiar em ti?
Ele: - Sim.
Ela: - Querido!
Depois do casamento...
"Ler de baixo para cima"

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Por que as crianças precisam dos pais....

Recebi essas fotos por e-mail que dizia: o por que das crianças precisarem dos pais... rsrs














domingo, 25 de abril de 2010

Valores?

A matéria abaixo saiu na VEJA (link) e fiz um trabalho sobre ela, abordando o assunto suicídio. Lembrei disso e gostaria de saber mais opiniões sobre: Por que pessoas cometem o suicídio? O que pode levar uma pessoa a tal ato? Existe alguma prevenção para pessoas que pensam em cometer este ato? Leiam a matéria abaixo.


"Um funcionário da France Télécom, a principal empresa de telecomunicações da França, suicidou-se na pequena cidade de Alby-sur-Chéran, a 600 quilômetros de Paris, na segunda-feira passada. No bilhete deixado à esposa, o suicida culpou a empresa pelo tormento emocional em que vivia. O incidente seria apenas mais um drama familiar – a França possui uma das mais altas taxas de suicídio da Europa –, não fosse um trágico contexto. Nos últimos dezoito meses, 24 empregados da Télécom se mataram. Duas semanas atrás, um técnico em manutenção cortou o próprio ventre com um punhal durante uma reunião com quinze colegas de trabalho. Em julho, outro suicida acusou o patrão: "Faço isso por causa do meu trabalho na France Télécom; é o único motivo". O primeiro comentário do CEO da empresa, Didier Lombard, foi dizer que se matar tinha virado "moda". Agora, os sindicatos querem sua demissão. Com 100 000 funcionários, a France Télécom tem uma taxa de suicídios similar à média nacional, de 17,6 por 100 000 habitantes. Mas a sequência de mortes pôs o país em estado de choque. Não tanto pelas maldades que possam ocorrer dentro da Télécom – mas por ter feito os franceses se perguntarem o que há de errado com seu modo de vida.

Em princípio, eles vivem no melhor dos mundos. Os franceses gozam de uma jornada de trabalho folgada, um salário mínimo polpudo, férias prolongadas e aposentadoria precoce. A legislação trabalhista dificulta as demissões. Mas o ambiente é envenenado pelo temor de que a rede social que garante a assistência aos cidadãos do berço ao túmulo possa estar fazendo água. O engessamento do mercado de trabalho, que torna dificílima qualquer demissão, é um dos fatores que emperram a economia do país. Poucos franceses estão dispostos a abdicar das regalias, mas muitos são forçados a fazê-lo – sob o risco de perder o emprego. Para piorar, a crise mundial encolheu ainda mais o número de postos de trabalho: o desemprego entre os jovens chega a 25%. O resultado é um clima de insegurança em toda a sociedade. Um francês consome, em média, 29 antidepressivos por ano, quase o dobro da média na Alemanha e na Itália.

No caso da France Télécom, a onda de suicídios ocorre em um contexto de reestruturação da empresa. Privatizada em 1997, a companhia adotou um modelo de negócios mais agressivo e enxugou 40 000 nomes da folha de pagamento. Para seus 100 000 empregados, dos quais dois terços ainda são funcionários públicos, isso significou metas de produtividade, promoções por mérito e cobranças de maior eficiência. Para muitos franceses, trabalhar em um ambiente competitivo como esse é algo que fere a própria identidade nacional. Haja antidepressivos.
"

sábado, 24 de abril de 2010

aprontou?

Achei simplesmente o máximo essa imagem. A cara da bagunça... sabe quando vc apronta, esquece de fazer alguma coisa, jogou sujeira debaixo do tapete (qnd criança), derrubou aquele vaso que sua mãe ama?! rsrs Acho que essa criança representa tudo que já fizemos de errado, sem querer em algum momento de nossas vidas...
Aproveite, tire um minuto e pense em quantas coisas vc já aprontou e hoje, qnd vc olha pra trás, vc ri...
É muita coisa!! rsrs
Bom final de semana!!

domingo, 18 de abril de 2010

ao pé da letra...

Essa é para quem leva TUDO ao pé da letra... [recebi por e-mail]








sexta-feira, 16 de abril de 2010

chove chuva...

" Me sinto só
me sinto só
me sinto tão..."

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Experimento Socialista


Li em: Marli.


UM EXPERIMENTO SOCIALISTA (escrito em 1931 por Adrian Rogers)
Um professor de economia na universidade do Texas Tech disse que ele nunca reprovou um só aluno antes, mas tinha, uma vez, reprovado uma classe inteira.

Esta classe em particular tinha insistido que o socialismo realmente funcionava: ninguém seria pobre e ninguém seria rico, tudo seria igualitário e justo.

O professor então disse: "Ok, vamos fazer um experimento socialista nesta classe. Ao invés de dinheiro, usaremos suas notas nas provas." Todas as notas seriam concedidas com base na média da classe, e portanto seriam 'justas ' Isso quis dizer que todos receberiam as mesmas notas, o que significou que ninguém seria reprovado. Isso também quis dizer, claro, que ninguém receberia um "A"...

Depois que a média das primeiras provas foram tiradas, todos receberam "B". Quem estudou com dedicação ficou indignado, mas os alunos que não se esforçaram ficaram muito felizes com o resultado.

Quando a segunda prova foi aplicada, os preguiçosos estudaram ainda menos eles esperavam tirar notas boas de qualquer forma. Aqueles que tinham estudado bastante no início resolveram que eles também se aproveitariam do trem da alegria das notas. Portanto, agindo contra suas tendências, eles copiaram os hábitos dos preguiçosos. Como um resultado, a segunda média das provas foi "D". Ninguém gostou.

Depois da terceira prova, a média geral foi um "F".

As notas não voltaram a patamares mais altos mas as desavenças entre os alunos, buscas por culpados e palavrões passaram a fazer parte da atmosfera das aulas daquela classe. A busca por 'justiça' dos alunos tinha sido a principal causa das reclamações, inimizades e senso de injustiça que passaram a fazer parte daquela turma. No final das contas, ninguém queria mais estudar para beneficiar o resto da sala. Portanto, todos os alunos repetiram o ano... Para sua total surpresa. O professor explicou que o experimento socialista tinha falhado porque ele foi baseado no menor esforço possível da parte de seus participantes. Preguiça e mágoas foi seu resultado.

Sempre haveria fracasso na situação a partir da qual o experimento tinha começado. "Quando a recompensa é grande", ele disse, "o esforço pelo sucesso é grande, pelo menos para alguns de nós. Mas quando o governo elimina todas as recompensas ao tirar coisas dos outros sem seu consentimento para dar a outros que não batalharam por elas, então o fracasso é inevitável."

"É impossível levar o pobre à prosperidade através de legislações que punem os ricos pela prosperidade. Cada pessoa que recebe sem trabalhar, outra pessoa deve trabalhar sem receber. O governo não pode dar para alguém aquilo que não tira de outro alguém. Quando metade da população entende a idéia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação. É impossível multiplicar riqueza dividindo-a."

Fotos e palavras

Recebi por e-mail... Chama-se "fotografia das palavras"...


Amizade

Amor Tristeza

Inocência


Partida


Dor



Solidão


Música

Respeito
Compaixão
Amizade
Paciência Abandono
Resgate
Divindade

terça-feira, 6 de abril de 2010

A boneca de crochê



Um homem e uma mulher estavam casados por mais de 60 anos.
Eles tinham compartilhado tudo um com o outro e conversado sobre tudo.
Não havia segredos entre eles, com exceção de uma caixa de sapato que a mulher guardava em cima de um armário e tinha avisado ao marido que nunca abrisse aquela caixa e nem perguntasse o que havia nela.
Por todos aqueles anos ele nunca nem pensou sobre o que estaria naquela caixa de sapato.
Um dia a velhinha ficou muito doente e o médico falou que ela não sobreviveria.
Sendo assim, o velhinho tirou a caixa de cima do armário e a levou pra perto da cama da mulher.
Ela concordou que era a hora dele saber o que havia naquela caixa.
Quando ele abriu a tal caixa, viu 2 bonecas de crochê e um pacote de dinheiro que totalizava 95 mil dólares.
Ele perguntou a ela o que aquilo significava, ela explicou;
- Quando nós nos casamos minha avó me disse que o segredo de um casamento feliz é nunca argumentar/brigar por nada. E se alguma vez eu ficasse com raiva de você que eu ficasse quieta e fizesse uma boneca de crochê.
O velhinho ficou tão emocionado que teve que conter as lágrimas enquanto pensava 'Somente 2 bonecas preciosas estavam na caixa. Ela ficou com raiva de mim somente 2 vezes por todos esses anos de vida e amor.'
- Querida!!! - Você me explicou sobre as bonecas, mas e esse dinheiro todo de onde veio?
- Ah!!! - Esse é o dinheiro que eu fiz com a venda das bonecas.

PRECE

Senhor, dai-me sabedoria para entender meu Marido, amor para perdoá-lo e paciência para aturá-lo, Senhor, porque se eu pedir força, eu bato nele até matar, porque EU NÃO SEI FAZER CROCHÊ... Amém!


[recebi por e-mail]

segunda-feira, 5 de abril de 2010

esconde?

Sabe quando vc tenta se esconder? Mas esconder de quê? de quem? por quê? pra quem?
acho que estou num jogo de esconde-esconde comigo mesma. se isso é possível? não sei. Essa tem sido minha resposta à quase todas as perguntas. Não sei dizer, não sei explicar e nem sei que fim dará.
Hoje acordei com vontade de ficar ali, sem levantar, sem me revelar pro mundo. Tive vontade de ficar de baixo da coberta e ficar, ficar. Mas é quando o Sol levanta que nossa cabeça tbm se levanta e percebemos que a vida não é simples e nem tão pequena para se deixar abater.
Força, força. É o que todos nos dizem. É o que tem de ser feito.
Força! Boa semana...